Os mais ricos do mundo

Artigo incluído na edição de Abril 2017

O poderoso Américo Amorim con­tinua a ser o mais rico de Portugal. Mas o grande destaque deste ano vai para Alexandre Soares dos San­tos. O ranking anual dos mais ricos do mundo da FORBES mostra que o valor dos activos do antigo presi­dente da Jerónimo Martins, proprie­tária da cadeia de supermercados Pingo Doce, aumentou 28,6% face ao ranking de 2016 para os 2,5 mil milhões de euros. Uma subida de 558 milhões de euros que atestam o bom desempenho das acções da retalhista, que em termos homó­logos valorizaram cerca de 26%. Já Américo Amorim, proprietário da Corticeira Amorim e antigo presi­dente da Galp – petrolífera detida a 16% pelo magnata – viu a sua fortu­na aumentar 279 milhões de euros (cerca de 7,3%) no último ano, para os actuais 4,1 mil milhões de euros.

Com um desempenho bem di­ferente esteve Belmiro de Azevedo, que ao contrário dos outros dois magnatas registou uma queda da sua fortuna: o proprietário de 53% do capital da Sonae perdeu 93 mi­lhões de euros no último ano, que levou a sua fortuna a cifrar-se nos 1,4 mil milhões de euros. Mas, mes­mo assim, somando as três fortu­nas dos portugueses mais ricos, não chegam perto – nem por sombras – aos valores astronómicos do to­po da tabela.

Warren Buffett teve o seu se­gundo melhor ano de sempre e os ganhos mais elevados desde que Donald Trump foi eleito Presiden­te. O seu salto de 13,8 mil milhões de euros em 12 meses foi suficien­te para destronar Amancio Ortega, fundador da Zara, do segundo lu­gar. A fortuna de Ortega aumentou 4 mil milhões de euros desde o ano passado – o que não impediu que ficasse em quarto lugar, incapaz de acompanhar os fortes ganhos dos demais nomes no topo desta lista.

O ranking deste ano conta com 195 estreantes. A China é o país com maior representação, com 76 for­tunas na ordem dos dez dígitos. De entre os novos nomes a registar con­tam-se Yvon Chouinard, fundador da marca de vestuário desportivo Patagonia; o magnata norte-ame­ricano de fundos de investimento Cliff Asness e dois dos seus sócios; e John e Patrick Collison, dois cida­dãos irlandeses que co-fundaram a Stripe, uma empresa que opera na área dos pagamentos on-line.

Este foi também um ano recor­de no que toca às pessoas mais ri­cas do mundo, tendo em conta que o número de multimilionários au­mentou 13% para 2043 face a 1810 no passado, ano em que a FOR­BES deu conta, pela primeira vez, da existência de mais de duas mil fortunas na ordem dos dez dígitos. O património líquido total acumu­lado por estas pessoas aumentou 18%, para 7,1 biliões de euros – o equivalente a 37 economias por­tuguesas. A lista dos grandes ga­nhadores desde o ano passado su­pera a lista de perdedores numa relação superior a três para um.

O património das 2043 pessoas mais ricas do planeta aumentou 18% no último ano para 7,1 biliões de euros, o equivalente a 37 vezes o PIB de Portugal.

RIQUEZA MUNDIAL

Bill Gates é o primeiro dos mais ricos pelo quarto ano consecuti­vo, além de ser o homem mais ri­co do mundo por 18 vezes nos últi­mos 23 anos. A sua fortuna é ago­ra de 80 mil milhões de euros. Jeff Bezos, da Amazon.com, teve o melhor ano do que qualquer outra pessoa no planeta, ao acrescentar 26 mil milhões de euros à sua fortu­na. Actualmente tem um patrimó­nio líquido de 67,7 mil milhões de euros, que lhe permitiu subir até ao terceiro lugar da lista (no ano pas­sado ocupava o 5.º lugar).