20 Mulheres mais poderosas do desporto

Artigo incluído na edição de Junho 2018
26 de Outubro, 2018, e

O número de mulheres que tem ganho influência no mundo desportivo está a aumentar. Mais do que atletas, são sobretudo gestoras de grandes marcas e de organizações internacionais. É o caso de Fatma Samoura, a primeira mulher a desempenhar o cargo de secretária-geral da FIFA e a que carrega o galardão de mulher mais poderosa e influente no desporto mundial.

20º

Nadia Nadim

  • Idade: 30 anos
  • Nacionalidade: Afeganistão/ Dinamarca
  • Cargo: Futebolista

19º

Po-Chun (Sophiyah) Liu

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: Taiwan
  • Cargo: Árbitra

18º

Blanca Uribe

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: México
  • Cargo: Vice-presidente-executiva do Toros de Tijuana

17º

Beng Choo Low

  • Idade: 60 anos
  • Nacionalidade: Malásia
  • Cargo: Membro do conselho olímpico da Ásia; secretária-geral da Confederação Mundial de Beisebol e Softbol

16º

Satoshi Katagiri

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: Japão
  • Cargo: Presidente-executiva

15º

Sophie Goldschmidt

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: Reino Unido
  • Cargo: Presidente-executiva da Liga Mundial de Surf

14º

Rimla Akhtar

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: Reino Unido
  • Cargo: Membro do conselho da Associação de Futebol Inglesa; presidente da Fundação das Mulheres Islâmicas para o Desporto

13º

Mary Davis

  • Idade: 54 anos
  • Nacionalidade: Irlanda
  • Cargo: Presidente-executiva da Special Olympics

12º

Mithali Raj

  • Idade: 35 anos
  • Nacionalidade: Índia
  • Cargo: Capitã da equipa de críquete Indian

11º

Aoife Brodigan

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: Irlanda
  • Cargo: Directora do departamento de marketing de jogos do Facebook para a Europa, Médio Oriente e África

10º

Claire Williams

  • Idade: 41 anos
  • Nacionalidade: Reino Unido
  • Cargo: Directora comercial e de equipa da Williams Formula One

Nita Ambani

  • Idade: 54 anos
  • Nacionalidade: Índia
  • Cargo: Dona do Mumbai Indians

Caroline Wozniacki

  • Idade: 27 anos
  • Nacionalidade: Dinamarca
  • Cargo: Tenista

Moya Dodd

  • Idade: 53 anos
  • Nacionalidade: Austrália
  • Cargo: Membro do comité executivo da Confederação de Futebol da Ásia e da comissão de estatutos da FIFA; presidente da Common Goal da Austrália

Barbara Slater

  • Idade: 59 anos
  • Nacionalidade: Reino Unido
  • Cargo: Directora da BBC Sport

Marina Granovskaia

  • Idade: 43 anos
  • Nacionalidade: Rússia/Canadá
  • Cargo: Directora do clube de futebol Chelsea

Angela Dong

  • Idade: n.d.
  • Nacionalidade: China
  • Cargo: Vice-presidente da Nike e directora da divisão da Nike para a China

Florence Hardouin

  • Idade: 51 anos
  • Nacionalidade: França
  • Cargo: Membro do comité executivo da UEFA; directora- -geral da Federação Francesa de Futebol

Lydia Nsekera

  • Idade: 51 anos
  • Nacionalidade: Burundi
  • Cargo: Membro do conselho da FIFA e do Comité Olímpico Internacional

Fatma Samoura

  • Idade: 55 anos
  • Nacionalidade: Senegal
  • Cargo: Secretária-geral da FIFA

Dão a táctica em algumas das entidades desportivas mais influentes do mundo. Não têm receio de jogar ao ataque para vincar as suas convicções. E, em alguns casos, têm a conta recheada de milhões de euros.

Sendo o futebol considerado por muitos como o desporto-rei, não é de admirar que ocupe todos os lugares do pódio neste ranking. O título da mais poderosa no desporto pertence a Fatma Samoura. Foi a primeira mulher a desempenhar o cargo de secretária-geral da FIFA – entidade que comanda o futebol a nível mundial.

Detém o segundo cargo de maior poder na entidade que comanda o futebol mundial, ultrapassada apenas pelo presidente, Gianni Infantino. Desde 2016 que a senegalesa dirige os pelouros operacionais e comerciais da organização. A nomeação para esta função foi “um sinal muito forte” de que a FIFA, uma organização dominada por homens, estava a começar a ter abertura para uma maior diversidade, como a própria destacou na altura.

Tal como em outras áreas, a questão da igualdade de género não tem ficado fora de campo no desporto. E uma das vozes que se tem destacado é a de Lydia Nsekera.

Foi membro do Comité Olímpico Internacional e também a primeira mulher a sentar-se na cadeira do conselho da FIFA em 2013. Além da gestão nestas duas organizações, a segunda mulher mais poderosa do desporto tem liderado o movimento de criação de regras para combater a desigualdade quer nos cargos de topo, quer nos salários.

No que toca às mudanças dos lugares de chefia em clubes, a diversidade também já começou a dar os primeiros passos. No Chelsea, a nova “Special One” é Marina Granovskaia, que assume a organização e ajuda a decidir as contratações de treinadores no clube de Londres.

Ocupa o quinto lugar do ranking. Mas os exemplos não se ficam pelo futebol. Na Fórmula 1, Claire Williams segue as pisadas do pai, Frank Williams. É directora na escuderia com o mesmo nome. No surf, o negócio das ondas é controlado por Sophie Goldsmith, presidente-executiva da Liga Mundial de Surf. E na Índia, Nita Ambini é dona dos Mumbai Indians, uma das equipas mais fortes do desporto-rei do país, o críquete.